INTRODUÇÃO AO USO DE SENSORES INERCIAIS NA AVALIAÇÃO DAS DESORDENS DO MOVIMENTO

Aprenda a utilizar APPs e senores para avaliar seus pacientes.

8 horas | 100% online | Conteudo assíncrono

Qual o objetivo deste curso?

Apresentar aos participantes as principais desordens do movimento, como a espasticidade, as ataxias, distonias, doença de Parkinson e doença de Huntington com base nas teorias de Controle Motor. Explorar e revisar os principais métodos de análise de movimento utilizando sensores inerciais. Discutir aos desafios, as limitações e as vantagens das principais ferramentas disponíveis para avaliação motora com uso de sensores inerciais. Apresentar e explorar o uso dos sensores inerciais como método de diagnóstico (caracterização e predição de desordens do movimento) e de eficácia de programas de intervenção (motores e não motores). Discutir com os participantes o futuro dos sensores inerciais na prática clínica.

Pra quem é este curso?

Este curso é voltado a graduandos e profissionais de Fisioterapia e Educação Física.

O que vou aprender nesse curso?

Este é um curso de 8 horas, assíncrono, conteúdo teórico, com material de apoio (slides, artigos e dicas de aplicativos). IMPORTANTE: os alunos terão acesso ao curso durante 1 ano à partir da data de sua inscrição.
O curso conta com o seguinte cronograma:

1.Introdução às desordens do movimento (1:30h): Definição e breve fisiopatologia das distonias, ataxias, espasticidade, doença de Parkinson e doença de Huntington, com foco nos sintomas passíveis de avaliação por sensores inerciais (como amplitude do tremor, instabilidade e alinhamento postural, variabilidade da marcha.
2. Introdução aos sensores inerciais (1:30h): Tipos e métodos de avaliação com sensores inerciais. Vantagens e limitações.
3. Aspectos técnicos do uso de sensores inerciais (30 min): Desafios técnicos e metodológicos no uso dos sensores inerciais nas diferentes desordens do movimento (filtros, validade, reprodutibilidade etc.).
4.  Uso de sensores inerciais como método de diagnóstico:
Parte 1 (1h):  Uso dos sensores como ferramenta como descritores do movimento (avaliação do alinhamento postural, discinesias, tremor de repouso, espasticidade etc.) em pessoas com desordens do movimento.
Parte 2 (1h): Aplicabilidade clínica dos sensores inerciais como ferramenta de diagnóstico diferencial (ex: doença de Parkinson x tremor essencial, funcionalidade) e de predição (ex: quedas, freezers).
5. Uso dos sensores inerciais como método da eficácia de programas de intervenção:
Parte 1 (1:30h): Vantagens e limitações do uso de sensores inerciais como ferramenta comparativa de intervenções motoras.
Parte 2 (30min): Vantagens e limitações do uso de sensores inerciais como ferramenta comparativa de outras intervenções.
6. Encerramento (30min): Conclusão (‘Take home message’) e perspectivas futuras do uso de sensores inerciais nas desordens do movimento.

INVESTIMENTO: R$199,00 ou 12X de R$18,90

Quem é o professor?

Prof. Dr. Marcelo Pinto Pereira: fisioterapeuta, doutor em Ciências da Motricidade pela UNESP de Rio Claro e Pós-Doutorado na UNESP de Rio Claro e na KU Leuven – Bélgica. Pesquisador com mais de 35 artigos científicos publicados em revistas nacionais e internacionais, além de ser autor de 7 capítulos de livros didáticos. Já foi Pesquisador Convidado do Movement Disorders Research and Rehabilitation Centre (Canadá – 9 meses) e de outras Universidades do Brasil. Tem como foco de pesquisa e atuação a análise do movimento e a reabilitação de pessoas com desordens do movimento, com forte viés no desenvolvimento de tecnologias. É detentor de patente e tem forte experiência acadêmica (Faculdade Anhanguera, UNESP, UFSCar) e hoje é docente da Faculdade de Americana.
Acesse o CV Lattes do Prof. Marcelo clicando aqui.

WhatsApp Image 2021-06-01 at 12.39.32.jp

A MOVA4all promoveu o curso com muita expertise. A linguagem e didática do professor foi inquestionável. De forma leve, assertiva, focada e concreta. O curso foi de muito valor para a prática profissional com meus pacientes. O que enquadra o profissional e o paciente na era 4.0 com a maior naturalidade. Sou grata!

Christina Dell Aglio

Fisioterapeuta